Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

O maior susto da minha vida.

Ontem foi o último dia que fui substituir a minha colega. Dava-me jeito monetariamente mas fisicamente estava a ser muito cansativo. Só para terem uma ideia, nos meus dias de aulas, eu dava 9 horas e 40 minutos de aulas. É muito.

Foi, então, contratada outra professora substituta e eu fui passar-lhe a pasta: ensinar como funcionamos no colégio e pequenos truques e segredos. E só entre nós, que ninguém nos ouve, achei a moça impecável, muito melhor que a minha colega: mais paciência, métodos mais actuais, ideias novas... Gostei bastante dela e deixei-a completamente à vontade para ela fazer o que quisesse com os miúdos.

 

Último dia da semana, acordei e saí mais cedo de casa para garantir que não perdia o autocarro e chegava à escola o mais cedo possível. Vim todo o caminho, até chegar à paragem da escola, a piscar os olhos de sono. Saí do autocarro e fui para a passadeira de peões. Como sempre faço, esperei que me dessem passagem. O carro parou do meu lado e o que vinha em sentido oposto, também parou. Nesta altura avancei.

 

Estava eu a meio da passadeira - com os dois carros parados - quando aparece um terceiro carro em alta velocidade. Nestas situações, parece que bloqueamos e não sabemos como reagir e foi isso que me aconteceu. Parecia que estava num filme ou algo do género, que estava fora de mim a observar o que se passava.

 

Neste impasse meu, vejo o carro a travar bruscamente e a dar uma guinada para o lado para não bater no da frente. As pessoas que estavam nas paragens dos dois lados da estrada, ao ouvir o guinchar dos pneus e ao ver-me parada no meio da passadeira, desataram aos "ais".

É que o terceiro carro, em vez de dar a guinada para o lado do passeio, deu para o meio da estrada, ou seja, mesmo na minha direção. E só vos digo que se lhe tivessem falhado os travões, hoje não estava aqui para desabafar isto convosco.

 

Caiu-me o coração aos pés. Sem reação possível, lá prossegui o meu caminho cheia de náuseas dos nervos que apanhei e com o coração a tremer. Já passei por outra situação semelhante mas não tão grave como esta. Foi um grande susto proprocionado pela bestialidade daquele condutor.